Perfis profissionais que mais se adaptam ao home office

Nos últimos meses, o trabalho remoto se tornou uma realidade para empresas e escritórios dos mais variados segmentos. Devido à crise causada pela pandemia do coronavírus, profissionais do mundo todo precisaram aderir ao home office como forma de manter as atividades em dia, sem colocar em risco a saúde. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2020, cerca de 30% das empresas brasileiras pretendem manter a modalidade de home office nas jornadas de trabalho mesmo após a pandemia do coronavírus.

Com o trabalho remoto conquistando a preferência de muitas empresas, o seguinte questionamento vem à tona: será que o trabalho a distância, como o home office, pode ser realizado com eficiência por qualquer tipo de profissional?

No artigo de hoje vamos conhecer os perfis profissionais que mais se adaptam ao home office, e quais as vantagens que esta modalidade de trabalho oferece.

O trabalho remoto em 2020

No início de 2020, a pandemia do coronavírus tornou necessária a adoção de medidas de quarentena e isolamento social por todo o país, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Dessa forma, o modelo de trabalho que até então gerava desconfiança em muitas empresas, se tornou a solução para manter as atividades em dia e os processos em funcionamento durante a quarentena. 

Assim, grande parte dos profissionais passaram a atuar remotamente, em regime home office, desde meados de março. 

Segundo a Pesquisa Gestão de Pessoas na Crise covid-19, realizada pela Fundação Instituto de Administração (FIA) em abril de 2020, 46% das empresas brasileiras adotaram o home office como estratégia durante a pandemia. 

Já o levantamento Covid-19 Consumer Study, realizado pelo IBM Institute for Business Value (IBV), apontou que uma grande parcela dos profissionais brasileiros está satisfeita com o trabalho remoto.

De acordo com a pesquisa, 52% dos brasileiros desejam continuar trabalhando exclusivamente no modelo home office ou com idas eventuais ao local de trabalho tradicional após a pandemia.

Trabalho remoto e os diferentes perfis profissionais

Os dados que você conferiu acima comprovam a boa aceitação que o trabalho remoto teve perante a maioria dos profissionais e empresários brasileiros. 

Mas será que diferentes perfis de trabalhadores estão preparados para atuar em home office daqui pra frente? 

Além das limitações de determinados cargos e funções, existem certas características e habilidades que devem fazer parte do perfil do profissional remoto. 

Confira as principais características do trabalhador que melhor se adapta ao home office: 

  • Independência

Possuir independência e autonomia são fundamentais para garantir a organização das atividades longe do escritório e do acompanhamento de um gestor. 

O profissional independente poderá tomar decisões importantes para sua rotina de trabalho, com maior responsabilidade e sem a necessidade da intervenção de um superior. 

  • Disciplina

O trabalho no conforto de casa pode causar ainda mais distrações e tendência à procrastinação. Por isso, é essencial que o profissional tenha disciplina o suficiente para cumprir com as obrigações do trabalho no horário certo. 

Estruturar um ambiente adequado para o trabalho remoto, eliminando as distrações externas, e manter uma agenda com as tarefas do dia podem ajudar na adaptação do home office. É sim possível ser profissional mesmo trabalhando sozinho em casa.

  • Organização

O trabalho em home office exige ainda mais organização por parte do profissional. Afinal, o ambiente doméstico pode trazer maior sensação de acomodação e conforto. 

Para garantir a organização ao trabalhar em casa é preciso investir em um ambiente arrumado e próprio para o trabalho, bem como uma rotina de horários definida e estruturada. 

A organização no home office deve abranger desde o espaço físico até as atividades prioritárias para cada dia de trabalho.

  • Preparo emocional

O trabalho em home office exige um certo nível de preparação emocional para lidar com a solidão e a distância dos colegas do escritório. 

No trabalho remoto, a interação com colegas, gestores e clientes ganha outras formas e é necessário estar preparado emocionalmente para lidar com essas mudanças. 

  • Gestão de resultados

Mesmo não estando diariamente no escritório tradicional e sendo acompanhado por um gestor, o profissional ainda precisa identificar quais são os resultados que a empresa espera de suas atividades diárias. 

Por isso, a gestão do desempenho deve estar presente no dia a dia do home office, aliada a uma comunicação ativa com o restante da equipe para o melhor aproveitamento do tempo e dos processos internos.

Profissionais com estas qualidades possuem o perfil que melhor se adapta ao home office. 

Por outro lado, trabalhadores muito acomodados, viciados em trabalho (workaholics), recém-contratados ou em início de carreira podem apresentar maiores dificuldades para se adaptar ao trabalho home office.

Home office: vantagens e desvantagens

Como qualquer outra modalidade de trabalho, o home office possui suas vantagens e desvantagens. 

Confira os principais motivos para aderir, ou não, ao trabalho remoto: 

Prós: por que o trabalho remoto vale a pena? 

  • maior flexibilidade de horários;
  • fim do deslocamento até o escritório;
  • economia de tempo no início e fim do expediente;
  • proximidade da família;
  • maior independência.

Contra: por que o trabalho remoto não vale a pena?

  • confusão entre a vida profissional e pessoal;
  • maior solidão no dia a dia do trabalho;
  • sobrecarga de atividades;
  • ambiente confinado.

Para que o home office seja agradável para todos, é necessário considerar uma série de questões, como o perfil do profissional, o cargo exercido, o ambiente de trabalho remoto, etc. 

Os cuidados jurídicos no home office 

Em um cenário de pandemia, o home office precisou ser implantado de maneira abrupta e emergencial em grande parte das empresas. 

Dessa forma, muitos gestores apresentaram dúvidas e preocupações quanto os cuidados jurídicos que envolvem o trabalho remoto devido à pandemia.

Se tratando de uma crise passageira, tanto empresa quanto colaborador devem acordar que as mudanças no modelo de trabalho também podem apresentar caráter temporário. 

Portanto, para evitar impasses futuros, recomenda-se que as organizações elaborem um Termo Aditivo Temporário para home office, apresentando todos os detalhes das mudanças realizadas, informando que o trabalho remoto será temporário e, se possível, estabelecendo um prazo para a duração desse trabalho a distância. 

O termo deve deixar claro as seguintes informações:

  • se o empregador irá fornecer os equipamentos necessários para o colaborador realizar o trabalho remoto (computador, celular e demais equipamentos necessários para a função);
  • as obrigações do empregado (horário de expediente, prazos para realização das atividades, dias para comparecer ao escritório, etc);
  • a obrigatoriedade de manter o sigilo sobre os dados da empresa durante o home office;
  • declaração de aptidão para realizar o home office por parte do empregado. 

Ao seguir o que diz a legislação trabalhista e esclarecer ao máximo as ações tomadas em tempos de pandemia, o trabalho remoto será melhor aproveitado por gestores e colaboradores.

Como você conferiu hoje, o home office é um modelo de trabalho promissor para o futuro pós-pandemia. Contudo, este cenário apenas confirma as previsões já conhecidas de que o trabalho remoto será cada vez mais relevante para o mercado daqui pra frente.

Afinal, em grandes empresas mundiais as rotinas de trabalho mais flexíveis e a possibilidade de fazer home office já são uma realidade. 

Para saber mais sobre o trabalho home office e como adequar a sua equipe a essa modalidade, confira o artigo “Como adotar o trabalho home office” no blog da RH Center.

Não deixe de acompanhar as nossas próximas postagens sobre universo corporativo, leis trabalhistas e muito mais!


Desenvolvido por TNB.studio